Aviso

IPASEAL SAÚDE

Instituto de Assistência à Saúde dos Servidores do Estado de Alagoas
Quinta, 23 Dezembro 2021 14:03

Melasma: saiba o que é essa mancha escura na pele

O melasma é uma condição de pele caracterizada pelo surgimento de manchas escuras no rosto, principalmente no nariz, bochechas, testa, queixo e lábios. No entanto, como o melasma pode ser desencadeado pela exposição à luz ultravioleta, podem surgir manchas escuras em outras partes do corpo, como por exemplo braços ou pescoço.

O melasma é mais frequente em mulheres, principalmente durante a gravidez devido às alterações hormonais, sendo denominado cloasma. Além disso, as manchas escuras podem surgir devido ao uso de anticoncepcionais, predisposição genética e, principalmente, exposição frequente ou prolongada à luz ultravioleta ou visível, no caso de computadores e celulares, por exemplo.

Sintomas

Manchas escuras ou acastanhadas começam a aparecer na face, principalmente nas maçãs do rosto, testa, nariz e lábio superior (o chamado buço). Pode ocorrer também o melasma extrafacial, com aparecimento das manchas escuras nos braços, pescoço e colo. As manchas têm formatos irregulares e bem definidos, sendo geralmente simétricas (iguais nos dois lados). Muitas vezes, as pessoas com melasma podem agravar a condição com um tratamento ou procedimento inadequado, ocorrendo piora importante das manchas.  

Tratamentos

O dermatologista é o profissional mais indicado para diagnosticar e tratar esta condição. Os tratamentos variam, mas sempre compreendem orientações de proteção contra raios ultravioleta e à luz visível, que deve ser redobrada quando se inicia o tratamento. As terapias disponíveis são o uso de medicamentos tópicos e procedimentos para o clareamento. Dentre os procedimentos mais realizados estão os peelings e aplicações de luzes ou lasers. É importante salientar, entretanto, que o tratamento do melasma sempre prevê um conjunto de medidas para clarear, estabilizar e impedir que o pigmento volte. 

Causas do melasma

A causa do melasma ainda não é completamente conhecida, mas sabe-se que as células que produzem o pigmento da pele (melanócitos) o fazem em excesso, causando hiperpigmentação.

Fatores envolvidos no desenvolvimento do melasma incluem:

  • Alterações hormonais (como a gravidez, os contracetivos orais ou a terapêutica hormonal de substituição);
  • Exposição solar;
  • Fatores genéticos;
  • Fototipo (cor da pele);
  • Medicamentos e cosméticos;
  • Deficiência de Zinco.

O melasma é contagioso?

O melasma não é uma doença contagiosa ou transmissível. Ou seja, a melasma não se transmite ou se “pega” por contato direto de pessoa para pessoa.

O melasma tem cura?

O melasma é uma doença crónica e recidivante, sendo que curas definitivas são relativamente raras. Quando está associado à gravidez, por vezes desaparece com o tempo após o parto. Contudo, mesmo após o melasma desaparecer é importante manter uma proteção solar adequada, caso contrário esta doença pode voltar a surgir.